segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Conto: O segredo de uma amiga - Parte III!:)...enviado

                                          ATO I
                           O segredo de uma amiga

                                    Capitulo III
                              De uma vez por todas


 Amanda corria na mata, descalça e com pouca roupa, fugia da sua perseguidora implacável, Camila, a bela loira que também estava seminua e descalça, mas a vantagem dela é que tinha uma pistola.
 A morena corria em desespero, ela escutava os vários tiros pegando nas árvores, e os gritos da loira.
 -Eu vou te pega sua vadia.
  Elas correram por uns vinte minutos, até que Amanda conseguiu despistar a loira. Ela ficou escondida em baixo de umas árvores caídas, e viu que Camila acabou voltando para a cabana.
 Então Amanda começou a procurar um jeito de sair da floresta, andou, andou e nada. Até que acabou chegando na cabana novamente, e viu que tinha uma caminhonete preta na frente da cabana, não estava lá a poucos minutos atrás, e ela ficou só observando.
 De repente saiu da cabana a Camila e uma outra mulher, realmente muito linda, tinha cabelos castanhos, meio ondulado até um pouco mais abaixo do ombro, olhos claros, e um lábio muito sensual. Camila ainda estava com o seu pijama, shortinho vermelho e uma blusinha branca mostrando a barriga, e a ponta dos seios bem visível na blusa, estava toda suja de correr na mata, a outra mulher usava uma blusa regata vermelha e uma calça jeans bem coladinha, que realçava ainda mais o seu belo corpo, e também usava um salto, não muito alto, que dava um tom mais sexy para ela.
 As duas belas mulheres pareciam estar batendo boca na frente da cabana, e do nada, a mulher da um tapa na cara da loira, que não faz nada. Nesse momento, foi quando Amanda pisa em um graveto seco, faz um barulho, as duas mulheres olham para ela rapidamente, e Camila parte em disparada na direção dela.
 Amanda corre novamente para dentro da mata, com Camila na sua cola. Elas correm por uns cinco minutos, e começa a cair uma chuva. A loira estava alcançando a morena, dando puxadas na blusa dela. Então Amanda escorrega e cai, Camila chega até onde ela estava, saca sua pistola e aponta para a barriga da morena.
 -E agora sua vaca?
 Amanda estava com lágrimas nos olhos, e disse:
 -Vai atira, sua cadela.
 -Não me provoque.
 -Você não tem coragem de atirar em mim.
 -Cala boca sua vagabunda.
 Nesse momento Camila puxa o gatilho, mas apenas dá um barulho de arma descarregada. Amanda não pensa duas vezes e dá um chute na mão da loira que estava com a arma, e se levanta.
 -Vamos resolver isso de uma vez por todas, sua vaca. Falou Amanda se pondo em posição de combate.
 -Sua cachorra, vou acabar com você. Falou Camila se posicionando também.
 Estavam lá, novamente, prontas para o combate final, pela determinação das duas a luta não acabaria tão fácil, seria uma briga dura para as duas. Ambas estavam todas sujas de correr na mata, seus pijamas estavam encharcados, seus peitos estavam colados na blusa, e as duas descalças. A cara de ódio das duas diziam, “você está ferrada”.
 Camilla começou o ataque com um chute na altura da coxa à mostra de Amanda, mas a morena foi rápida e deu um pulo para trás, e devolveu com um chute de espartano na altura da barriga da loira, que também desviou.
  Elas se entre olharam com um olhar de ódio por alguns segundos, e pularam uma agarrada no cabelo da outra, mas se mantinham em pé. Ambas gemiam conforme puxavam o cabelo, até que Camila deu uma joelhada no estômago da morena, que teve que soltar o cabelo da loira de tanta dor que sentiu. A loira aproveitou e deu mais uma joelhada e a jogou contra uma das árvores que tinha ali perto, Amanda bate na altura da costela na árvore, e geme ainda mais de dor. Ela fica de quatro no chão gemendo, e a loira se aproveita para humilha-la.
 -Sua vadia fraca, acha que pode contra mim.
  Camila monta sobre a morena, passa o braço em seu pescoço e dá uma chave de braço. A loira com seus peitos apertados às costas da morena, que estava de quatro, era uma cena realmente excitante.
  Camila ainda se aproveitava, e ficava mexendo o quadril sobre a morena, como se estivesse querendo traçar ela. Amanda não aguentou e acabou caindo de rosto no chão, mas a loira não à largou.
  Amanda começou a se debater embaixo da loira, e conseguiu se virar, deixando Camila para baixo, porem agarrada em seu pescoço. A loira aproveitou e amarrou suas pernas na cintura de Amanda. A morena se via em uma situação complicada.
  Amanda continuava a se debater, e acaba dando uma cabeçada no rosto da loira, que larga seu pescoço, ela não perde tempo e rola para longe da loira, mas Camila tenta agarrar a morena, e agarra apenas o seu short, que como era um pijama fino, se rasga, deixando Amanda apenas de calcinha. Porem ela nem dá importância para aquilo, se joga novamente sobre a loira, e dando socos na altura do rosto dela.
  Camila com dificuldades se esquiva, e consegue pôr as pernas no pescoço da morena, que não para com a sessão de socos, continua socando na barriga, nas costas, enquanto a loira tenta neutralizar os seus ataques com as pernas.
  Amanda começa a ficar meio sem ar, agarrada ao short da loira, o arranca também, com dificuldade se livra das pernas, já nuas de Camila, e se põem de pé, a loira não perde tempo e se põem de pé também.
  Ambas vendo que estavam apenas de calcinha e com aquela blusinha encharcada, não pensam duas vezes, e tiram as suas blusas, ficando as duas com os seios de fora.
  As duas frente a frente, se encarando em meio a mata, ambas descalças, com os seios de fora, que por sinal possuíam belos pares de peitos, as duas. Camila usava uma calcinha fio dental preta, que deixava a sua bunda ainda mais sexy, e Amanda usava uma calcinha branca, que também era fio dental, e a sua bunda não perdia para a da loira, realmente as duas eram muito lindas, e estavam ali, em uma briga muita acirrada.
  Camila olhava para a morena com ódio e ao mesmo tempo um tesão por ela, e Amanda não conseguia negar, a loira estava muito sensual com aquela calcinha encharcada e com os seios à mostra.
  Elas iam se aproximando uma da outra, devagar e sensual, sempre atentas aos movimentos da adversária, até que ambas avançaram uma contra a outra. Agarraram-se nos cabelos, nas mãos uma da outra, e começaram a se esfregar, peito a peito, como se quisessem uni-los. Amanda foi rápida e botou a perna por trás das pernas da loira, fazendo-a cair, e a morena ficar por cima.   
  As pernas das duas se encaixaram certinho, como se fossem lego, deixando suas calcinhas encharcadas coladas. Camila segurava uma mão de Amanda e a outra nos cabelos dela, enquanto a morena fazia o mesmo, mas ficavam de mexendo, e se esfregando uma na outra.
  As belas mulheres começaram a gemer, já não se sabia se era de dor ou de tesão. Mas loira não se deu por vencida, virou a morena e ficou por cima, largou a mão que estava no cabelo de Amanda, agarrou uma das pernas dela e ficou segurando. A batata da perna da morena estava no ombro de Camila, que não parava de rebolar na xana de Amanda.
  Quem visse, não diria que elas estavam mais brigando, então Amanda teve que soltar a mão de Camila e pôr no seu próprio cabelo, pois estava morrendo de tesão. As duas já estavam se mordendo, foi quando Amanda resolve dar um tapa na cara da loira.
 - Cachorra. Resmungou Camila, que apenas começou a rebolar mais rapidamente, começaram a trocarem tapas, e gemidos.
  Então as duas começaram a rolar no chão, trocando tapas na cara e gemidos, até que Amanda ficou por cima, ela segurou os dois pulsos de Camila, e começou a rebolar com muito mais vontade.
  A loira começou a se debater embaixo daquele corpo da bela morena cheio de tesão. Com muito esforço, Camila soltou uma das mãos, agarrou o pescoço de Amanda, virando-a e ficando por cima dela, começou a das joelhadas na xana da morena, que devolveu com socos na costela da loira.
  De repente as duas cansaram e pararam, olharam uma para o rosto da outra, e se beijaram. Mas não foi só lábios com lábios, também foi seio com seio, xana com xana. Elas ficaram gemendo, até que ambas gozaram. Camila rolou para o lado, e ficaram as duas deitadas na mata, completamente nuas.
  Ambas estavam muito cansadas da luta, mas Camila ficou em pé, agarrou Amanda pelos cabelos, e começou a arrasta-la em direção a cabana. A morena se debatia um pouco, mas não conseguia se soltar.
  Quando elas passavam perto de um barranco, a queda era grande, mas não era um penhasco, Amanda conseguiu se soltar, e pulou na direção de Camila, fazendo as duas rolarem barranco à baixo.
  Elas rolaram até que Amanda bateu em uma lomba do barranco, e acabou ficando ali, mas Camila rolou até mais para baixo, e caiu dentro da mata.
  Amanda ficou um pouco ali, descansando, tentou ver se Camila não estava subindo, mas não viu nada. Então ela subiu, com muito esforço, chegou até em cima.
  A morena andou horas na mata, pelada, só com uma calcinha encharcada, conseguiu chegar a uma estrada. Ela caminhou um trecho, até um caminhoneiro a encontrar vagando.
  Ela estava com os seus cabelos sobre o peito, para não deixa-los visível, o caminhoneiro estava indo para a cidade dela. Ele comprou roupas para a moça e a deixou na porta do campus.
  Agora Amanda só tinha pesadelos com o acontecido, a sua melhor amiga tinha tentado matar ela? Quem era aquela mulher na cabana? Será que era a tal da Melissa que Camila tinha mencionado no porão? O que elas queriam com ela? São perguntas que talvez ela nunca saberia, ou em um futuro talvez viesse a desvendar esses mistérios. 

Nenhum comentário :

Postar um comentário